MÚSICA: Já está disponível o novo álbum “Inter-Missão”

    Já está disponível o novo álbum “Inter-Missão”

    A brincar a brincar – e estas coisas são até muito sérias – passaram 5 anos desde “Rusga Para Concerto em G Menor”, auspiciosa estreia de Mike El Nitelançada de forma independente e onde se abrigava essa pedrada no charco que recebeu o título “Mambo Nr. 1” feliz encontro com ProfJam, à época ele mesmo um nome em busca do seu futuro. Hoje, dia 7 de Dezembro de 2018, vê a luz do dia, “Inter-Missão” que promete nova lufada de ar fresco no hip hop nacional.

    Nesse ano de 2013, nada voltou a ser igual, pode argumentar-se. Nem na carreira de Mike, nem na cena hip hop tuga. “Vaporetto Titano”, de 2016,confirmou aquilo de que já todos desconfiavam: Mike como uma voz mais do que segura de uma nova sensibilidade dentro do hip hop tuga. Logo depois vem “O Justiceiro”, título mencionado em várias listas de melhores trabalhos do ano, foi também passaporte de Mike para o palco Antena 3 do Super Bock Super Rock, aquela histórica edição de 2016 em que daqui a 20 anos toda a gente vai garantir ter estado. No mesmo dia da actuação de Kendrick Lamar, Mike deixou claro no palco que estava ali para ficar.

    É nesse dia que começa Inter-Missão, o seu novo registo. 8 faixas, incluindo uma introdução em jeito de genérico que lança a aventura, Mike produz, rima e canta, conta com produções do seu aliado de longa data DWARF, de Maria da Monster Jinx, de Lewis M dos Salto, e ainda de Ice Burz, Benji Price e Osémio Boémio da extensa família da Think Music, a editora que carimba esta edição. Ao seu lado, a dividir espaço nos microfones, encontram-se Rita Vian, dos Beautify Junkyards, J-K, outro nome ligado à etiqueta do Monstro Roxo, Catarina Boto e, no já conhecido hit “Dr. Bayard”, Finix MG e Sippinpurpp, dois jovens leões do selo comandado por ProfJam.

    Apesar de aparentemente contido, Inter-Missão é um trabalho expansivo em que Mike El Nite aprofunda os seus dotes de escrita, em que reflecte sobre a sua vida com intrincados jogos de rima, em que se desafia como intérprete não apenas com novos flows, a cantar com auto-tune colando-se ao zeitgeist, mas também a arriscar com paisagens sonoras que vão de toadas quase de jazz do futuro ao trap que abala os nossos tempos. Ah, e ainda há um ultra-bem encaixado sample de Amália Rodrigues que não nos permite esquecer que é num Portugal moderno que tudo isto acontece.

    Essa modernidade, podemos garantir, deve tudo a gente como Mike El Nite, um artista que não tem problemas em investir em novos mambos, em adoptar novas famílias, em transformar realidade em banda desenhada e banda desenhada em hip hop e hip hop na banda sonora de uma vida em que tudo acontece.

    Dia 2 de fevereiro, o Estúdio Time Out, em Lisboa, vai receber a primeira grande apresentação de “Inter-Missão”. Os bilhetes serão clocados à venda, hoje, em ticketline.pt e locais habituais pelo preço de 10€ até 31 de Dezembro. 

    Texto de Rui Miguel Abreu